bulldog inglês

Bulldog Inglês

A cada dia mais popular


A aparência divertida e pouco convencional tem grande influência sobre o sucesso que esta raça britância tem conquistado mundo afora. É uma figura ímpar, uma verdadeira caricatura de cachorro, robusto e atarracado, sua expressão bravia em nada tem haver com seu temperamento, os bulldogues são dóceis e sociáveis.

No início era uma raça feroz e utilizada para lutas contra touros, além de serem aptos a fazer a guarda de propriedades, e por isso sua aparência era muito diferente dos exemplares atuais. Com a proibição dos combates com animais, na Grã-Bretanha, no século 19, a criação moderna tratou de modificar a raça através de cruzamentos selecionados, diminuindo seu tamanho considerávelmente e o tornando mais manso, com isso ele se transformou num perfeito cão de companhia, embora ainda seja classificado pela cinofilia no mesmo grupo que abriga a maior parte das raças de guarda, o grupo 2.

O mundo aprovou as mudanças, e por isso a popularidade dos bulldogues tem crescido a olhos vistos, sobretudo por hoje em dia as pessoas morarem em ambientes menores e muitas possuírem estes cães até em apartamentos. Dos tempos de combate conserva ainda a característica da mandíbula, que é mais desenvolvida do que a arcada superior pois nos combates poderiam morder, de baixo para cima as narinas ou pescoço dos touros, de forma que não soltassem. O nariz arrebitado o ajudava a não sufocar com o sangue da própria presa, e isso é o que lhe dá a expressão de invocado.

Atualmente os bulldogues são tidos apenas como cães de companhia, são cães dóceis, tranquilos, alegres e inteligentes, apesar da aparência séria e sisuda. Se tornou mais popular ainda com aparições em filmes, tv e até em desenhos animados, e com isso conquistando definitivamente a empatia do público.

Por ter uma beleza peculiar, traços e andadura muito característicos se sobressai entre outras raças. Se adapta muito bem a qualquer espaço, não são muito fãs de exercícios fisícos, e por isso a raça tem tendência a obesidade, nada que uma caminhada e alimentação balanceada não resolvam.

Temperamento

Com a família:


Apegado as pessoas da casa, o bulldogue demostra afeto a todos os familiares, mas quase sempre elege um dos donos como predileto, esse será seguido pelos cômodos da casa e festejado de maneira mais efusiva, e também terá sua atenção regularmente cobrada. Gostam de carinho, e um bom colo para apoiar a cabeça.

Com as pessoas alheias a família:

A braveza da raça se restringe apenas na expressão. Em geral são dóceis e sociáveis. Num primeiro contato pode até se manter um pouco reservado com desconhecidos, mas logo se rende a fazer novos amigos.

Latidos:


Discreto por natureza, o buldogue está entre as raças caninas  mais silenciosas. Muitas vezes não emitem um só sinal mesmo quando toca a campainha ou chega um estranho em seu lar. Este é um dos motivos por muitos cães desta raça viverem em apartamentos.

Convivência com outros animais:

Se acostumado desde pequeno, o buldogue tende a ser amigável com outros cães e até animais de outras espécies (gatos, pássaros, etc). Para quem quer garantia de paz não é recomendado manter dois ou mais buldogues machos dominantes no mesmo ambiente, pois isso aflorará o instinto de territorialidade. Em geral essa é a relação que foge a regra do bom convívio dos cães desta raça.

Destrutividade:


Durante os primeiros meses, assim como todos os filhotes da espécie canina, tendem a roer principalmente na fase de troca dos dentes. Se bem educados perdem o mau hábito antes de chegarem a fase adulta. Bulldogues adultos só se sentirão tentados a roer objetos indevidos caso se sintam abandonados pela família. A raça não tolera bem a solidão e pode protestar estragando objetos, é sua maneira de dizer aos donos que está sendo negligenciado.

Com crianças:


A boa convivência com a garotada é um dos pontos fortes da raça. Paciente, amorose e robusto, o buldogue é daqueles que aceitam até brincadeiras mais bruscas sem demonstrar hostilidade. Caso não goste da brincadeira simplismente se afasta. Mas não tem pique para longas correrias ou outras brincadeiras que exigem muito fôlego e resistência. O tipo fisíco pesado e o focinho achatado, que não lhe oferece a melhor das capacidades respiratórias, levam a raça a preferir brincadeiras mais calmas e não muito prolongadas.

Grau de atividade:

Difícil encontrar uma raça tão calma quanto esta. Embora tenha momentos de maior pique, ele gosta mesmo de tranquilidade. Passa a maior parte do dia sentado ou deitado preferindo sempre um canto com sombra e água fresca.

Obediência:


Trata-se de um cão de personalidade, e um certo toque de teimosia, o que definitivamente faz parte de seu charme. Como sua natureza não costuma ser destruidora e nem muito ativa, o fato de ser teimoso não costuma gerar problemas na convivência familiar. Não se deve esperar demonstrações circenses de um buldogue, embora até haja casos de exemplares muito bem adestrados e com isso atendem a todo o tipo de comando.


Rotina de cuidados:

Banhos e escovação: Nem uma coisa nem outra fazem parte da rotina de cuidados fundamentais a raça. O Buldogue tem pouco cheiro, o que dispensa banhos muito frequentes, o que ajuda a evitar a seborréia e alergias de pele comuns a raça. Em relação a escovação, como se trata de uma raça de pêlo curto, também não é essencial, no entanto ajudam na remoção dos pêlos mortos e com isso a queda dos mesmos pela casa.


Protegendo seu Bulldog:

Por ter uma pele grossa,e as vias áereas superiores curtas (nariz achatado) tem maior dificuldade na respiração e transpiração, os buldogues são especialmentes sujeitos a hipetermia (superaquecimento da temperatura corporal), problema que pode levar a morte rapidamente. Por isso deve-se manter os exemplares da raça sempre em ambientes bem ventilados, com sombra acessível e água fresca sempre a disposição. Os passeios e exercícios físicos devem ser feitos apenas em horários sem muita incidência solar. Jamais deixá-lo no carro, mesmo que os vidros estejam abertos, para transportá-los prefira os horários matutinos e noturnos, sempre com as janelas abertas ou o ar condicionado em temperatura agradável.

Limpeza dos ouvidos:

Os buldogues tem tendência a inflamações nos ouvidos, por isso devem ser higienizados com frequencia. O ideal é que a limpeza seja feita por profissionais (esteticistas ou médicos veterinários), caso queira fazer peça orientação destes profissionais, para evitar ferimentos sérios durante a limpeza.

Corte das unhas:

Como são cães relativamente calmos e pouco ativos, é comum que suas unhas não se desgastem sozinhas, por isso é necessário cortá-las ou lixá-las de preferência por profissionais, pois os cães possuem uma veiazinha no interior da unha, que quando cortada de forma errada pode causar dor e sangramento.

Higiêne dos olhos:

Por ser sujeito a problemas oculares, como entrópio ou conjuntivite, é recomendado limpar a região dos olhos diariamente. Basta passar no local um algodão embebido de soro fisiológico ou água filtrada, deve-se evitar a água boricada pois se usada com frequência pode inflamar a vista por ser de base de boro, substância irritante.

Exercícios físicos:

A raça faz o estilo sendentário, até pela sua constituição física não é recomendado que os buldogues sejam submetidos a muita atividade, principalmente em horários quentes. Para mantê-los em boa forma física uma caminhada diária de 30 minutos, em horários de calor ameno e de preferência em sombra,  são suficientes. Alguns exemplares tem mais vigor para exercícios desde que bem condicionados a isso.


Padrão Oficial da Raça (CBKC)

GRUPO 2: Padrão FCI 149 – 16/04/2004

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA – Filiada à Fédération Cynologique Internationale

Classificação F.C.I.:
Grupo 2 – Pinscher e Schnauzer, Molossóides, Boiadeiros e Montanheses Suíços e raças assemelhadas.
Seção 2 – Molossóides
2.1 – Tipo Mastife

——————

BULLDOG: Nomenclatura Cinófila utilizada neste padrão

Padrão FCI no 149 – 16 de abril de 2004.

País de origem: Grã-Bretanha
Nome no país de origem: Bulldog
Utilização: Companhia – Sem prova de trabalho

Sergio Meira Lopes de Castro – Presidente da CBKC
Domingos Josué Cruz Setta – Presidente do Conselho Cinotécnico
Tradução: Suzanne Blum Impresso em: 22 de agosto de 2008.

1-
Trufa
11-
Ísquio
21-
Metacarpo
2-
Focinho
12-
Coxa
22-
Carpo
3-
Stop
13-
Perna
23-
Antebraço
4-
Crânio
14-
Jarrete
24-
Nível do esterno na cernelha
5-
Occipital
15-
Metatarso
25-
Braço
6-
Cernelha
16-
Patas
26-
Ponta do esterno
7-
Dorso
17-
Joelho
27-
Ponta do ombro
8-
Lombo
18-
Linha inferior
a-
Profundidade do peito
9-
Garupa
19-
Cotovelo
b-
Altura do cotovelo
10-
Raiz da cauda
20-
Linha do solo
a+b=
Altura do cão na cernelha

APARÊNCIA GERAL

pêlo macio; atarracado, de estatura bastante baixa, largo,
poderoso e compacto. Cabeça maciça, bastante larga em proporção ao tamanho.
Nenhuma parte deve estar em excesso em proporção a outras, a ponto de prejudicar a
simetria geral ou fazer com que o cão pareça deformado ou mesmo interferir em sua
movimentação. A face é curta; focinho largo, grosso e inclinado para cima. Cães
mostrando dificuldades respiratórias são altamente indesejáveis . Corpo curto,
bem ajustado, sem tendência à obesidade . Membros fortes, sólidos, bem musculosos
e em muito boa condição. Posterior alto e forte e de algum modo, mais leve em
comparação com o dianteiro pesado. Fêmeas não são tão grandes ou bem
desenvolvidas quanto os machos.

COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO

o Bulldog dá uma impressão de determinação, de força e atividade. Alerta, valente, leal, seguro, corajoso, de aparência
feroz, mas dotado de uma índole afetuosa.

CABEÇA vista de perfil, parece muito alta e curta do occipital à trufa. A testa é
plana, com pele acima e ao redor da cabeça, solta e finamente enrugada, nem proeminente, nem pendente na face. A projeção dos ossos frontais é proeminente, larga, quadrada e alta. Do stop, um sulco largo e profundo se estende até o meio do crânio. A face frontal dos ossos zigomáticos até a trufa é curta com pele enrugada. A distância do canto interior do olho (ou do centro do stop entre os olhos) até a extrema ponta da trufa não deve exceder o comprimento da ponta da trufa à comissura labial.
REGIÃO CRANIANACrânio: largo em circunferência, medido (em frente das orelhas) deve ter aproximadamente o comprimento da altura do cão na cernelha. Visto de frente, aparenta ser muito alto do canto do maxilar inferior até o occipital; também muito largo e quadrado.

Stop: profundo; largo entre os olhos.

REGIÃO FACIALVista de frente, as várias partes da face devem ser igualmente balanceadas de cada lado de uma linha imaginária descendo do centro.

Trufa: nariz e narinas de bom tamanho, largas e pretas, jamais de cor fígado, vermelha ou marrom. A ponta da trufa é bem colocada para trás em direção aos olhos. Entre as narinas grandes, largas e abertas, com uma linha vertical bem definida.

Focinho: curto, largo, curvando-se para cima e muito profundo do canto do olho ao canto da boca. As rugas do focinho não devem interferir com suas linhas de inclinação. Lábios: grossos, largos, pendentes e muito profundos, cobrindo completamente as laterais da mandíbula e sem cobrir a frente. Na frente, os lábios se unem cobrindo inteiramente os dentes.

Maxilares / Dentes: maxilares largos, maciços e quadrados. A mandíbula se projeta consideravelmente para a frente do maxilar superior e curvando-se para cima. Maxilares largos e quadrados com 6 incisivos pequenos entre os caninos inseridos regularmente em uma linha reta. Caninos bem separados. Dentes grandes e fortes, nunca devem ser vistos com a boca fechada. Quando vista de frente, a mandíbula deve se juntar direta e paralelamente ao maxilar superior.

Bochechas: bem arredondadas e estendidas além de cada lado dos olhos. Olhos: vistos de frente, inseridos baixos no crânio, bem separados das orelhas. Olhos e stop numa mesma linha reta em um ângulo reto do sulco frontal. Bem separados, mas seus contornos externos ficam no interior das bochechas. Redondos, de tamanho moderado, nem inseridos profundamente nem proeminentes. De cor muito escura, quase preta, sem mostrar o branco quando olhando diretamente para a frente. Livre de óbvios problemas oculares.

Orelhas: inseridas altas; a borda anterior de cada orelha (vista de frente) se junta ao contorno do crânio no ângulo superior, de maneira que as orelhas fiquem bem separadas, mais altas e o mais distantes possível dos olhos. Pequenas e finas. Orelhas em rosa é correto, quer dizer, dobradas para dentro na sua parte posterior, a borda anterior superior se curva para o exterior e para trás, mostrando a parte interna do ouvido.

PESCOÇO

De comprimento moderado (mais para curto do que longo), muito grosso, profundo e forte. Bem arqueado atrás, com muita pele solta, grossa e enrugada na garganta, formando barbela de cada lado, da mandíbula até o peito.

TRONCO

Linha superior: ligeiramente caída para trás, atrás dos ombros (parte mais baixa), de onde a coluna vertebral se direciona para o lombo (ponto mais alto que o ponto dos ombros), descendo, de novo, bruscamente, até a cauda, formando um arco (chamado roach-back), característica típica da raça.

Dorso: curto, forte, largo nos ombros, comparativamente mais estreito no lombo.

Peito: largo, lateralmente redondo, proeminente e profundo. Costelas bem arqueadas para trás. Peito com boa capacidade, redondo e muito profundo do topo dos ombros até a parte mais baixa onde é bem junto ao peito. Bem descido entre as pernas dianteiras. Seu diâmetro é largo, redondo atrás dos membros dianteiros (não é plano), costelas bem redondas.

Ventre: esgalgado, não pendente.

CAUDA

inserida baixa, saliente e reta, depois inclinando para baixo. Redonda, lisa, sem franjas ou pêlos ásperos. De comprimento moderado, mais curta do que longa, espessa na raiz, afilando para a ponta. Portada baixa (não tem uma curva para cima, na ponta), nunca portada acima do dorso.

MEMBROS

Anteriores: robustos e fortes, bem desenvolvidos, bem separados, grossos, musculosos e retos. Apresentam um contorno arqueado, mas os ossos das pernas são fortes e retos, nem arqueados nem tortos; curtos em proporção às pernas posteriores, porém não tão curtos a ponto de o dorso parecer longo ou de prejudicar a atividade do cão e de incapacitá-lo.

Ombros: largos, oblíquos e profundos, muito poderosos e musculosos dando a aparência de serem unidos ao corpo. .

Cotovelos: longos e colocados bem longe das costelas.

Metacarpos: curtos, retos e fortes.

Posteriores: longos e musculosos, proporcionalmente mais longos do que os anteriores a fim de elevar o lombo. Perna longa e musculosa do lombo aos jarretes curtos, retos e fortes na parte de baixo.

Joelhos: redondos e virados ligeiramente para fora, longe do corpo.

Jarretes: ligeiramente angulados, bem descidos; os jarretes se unem assim um ao outro e as patas posteriores viram para fora.

Patas: retas e viradas ligeiramente para fora, de tamanho médio e moderadamente redondas. Patas posteriores redondas e compactas. Dedos compactos e grossos, bem separados, fazendo salientar as juntas que são altas.

MOVIMENTAÇÃO

Particularmente pesada e contraída, parecendo andar a passos curtos e rápidos, na ponta dos dedos. As patas posteriores não se elevam muito, parecendo raspar o chão. Quando o cão se movimenta rapidamente, um ou outro ombro avança.

PELAGEM

Pêlo: de textura fina, curto, fechado e liso (duro unicamente por ser curto e fechado, mas não de arame).

Cor: unicolor (de uma só cor com máscara preta ou focinho preto). Somente unicolor (que deve ser brilhante e puro); vermelho em suas diferentes tonalidades, fulvo, marrom claro, etc; branco e tigrado (combinação de branco com qualquer das cores precedentes). As cores fígado, preto e preto com marrom são altamente indesejáveis.

PESO

Machos: 25 kg.
Fêmeas: 23 kg.

FALTAS

Qualquer desvio dos termos deste padrão deve ser considerado como falta e penalizado na exata proporção de sua gravidade e seus efeitos na saúde e bem estar do cão.

É exigido aos juízes que sigam este padrão e leme em consideração as seguintes faltas:

• rugas no focinho muito elevadas ou cobrindo a trufa.

FALTAS ELIMINATÓRIAS

• agressividade ou timidez excessiva;
• cães monstrando dificuldade respiratória;
• cauda não aparente.

NOTAS:

• os machos devem apresentar os dois testículos, de aparência normal, bem desenvolvidos e acomodados na bolsa escrotal.
• todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento deve ser desqualificado.

9 responses to this post.

  1. Posted by Simone Carvalho on 13 de novembro de 2011 at 10:34

    MARAVILHOSO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Responder

  2. Posted by vnra on 2 de junho de 2012 at 15:50

    eu amo o meu buldog..é um amor tão grande q nem cabe no peito (L)

    Responder

  3. Posted by gustavo on 1 de setembro de 2012 at 20:48

    muito bom amo bulldogs e gostei muita do site amo meu bulldog mais que tudo!

    Responder

  4. thank you for the article. i just about passed your web site up in bing but now i’m glad i clicked the link and got to go through it. i’m definitely a lot more informed now. lista de emails lista de emails lista de emails lista de emails lista de emails

    Responder

  5. i was very pleased to find this site. i wanted to thank you for this great read!! i am definitely enjoying every little bit of it and i have you bookmarked to check out new stuff you post. lista de emails lista de emails lista de emails lista de emails lista de emails

    Responder

  6. great way of exposing your ideas, you made a good job in this website. lista de emails lista de emails lista de emails lista de emails lista de emails

    Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: